WhatsApp da Agência CWS

Saiba a diferença entre os principais tipos de e-commerce

Encerrando o nosso super especial sobre e-commerce, feito em parceria com a conceituada Comerci, saiba a diferença entre os principais tipos de e-commerce. Vamos destacar as características mais marcantes de cada um e como cada um funciona na prática.

Se você quer entrar no mundo do e-commerce, mas está em dúvida por qual modelo seguir, este é o artigo certo para você. Vamos lá?

B2C (Business to Consumer)

O tipo mais comum de e-commerce encontrado no mercado, o B2C promove a venda de produtos da empresa diretamente para o consumidor. O B2C acaba sendo a opção ideal para quem deseja abrir a sua própria loja virtual, independentemente de seu ramo, porte e público-alvo. Também é uma ótima opção para quem já tem uma loja física, podendo permitir que o cliente compre online e retire o pedido na unidade mais próxima da sua casa.

Marketplace

São espaços online com grande volume diário de acessos, como se fosse um shopping virtual. Tendo como exemplo mais popular o Mercado Livre, o Marketplace acomoda B2C, B2B e outras modalidades, tais como: C2C (Consumer to Consumer) e C2B (Consumer to Business). Sem dúvida, este é um modelo a ser seguido por todo mundo que tem um e-commerce, pois as chances de divulgação são maiores. Porém, o Marketplace não é indicado para serviços e/ ou produtos com baixas margens de lucro.

B2B (Business to Business)

Como o nome sugere (Negócios para Negócios em inglês), o B2B é quando comprador e vendedor são empresas. Este modelo exige uma série de coisas de ambas as partes, como prazos de entrega, valores de frete e por aí vai. Para nada sair errado, é fundamental que a sua estrutura logística seja a melhor possível ou possíveis dores de cabeça poderão ocorrer. Modelo mais voltado para quem comercializa produtos adquiridos em larga escala.

Infoprodutos

Modelo voltado para a venda de produtos e serviços digitais, tais como e-books, aulas EAD (educação à distância), softwares, treinamentos, cursos e outros. As possibilidades são muitas e tudo depende da criatividade do vendedor. No caso de um curso, o consumidor faz a compra e tem acesso a um espaço virtual por onde ele poderá estudar, baixar materiais exclusivos e até tirar dúvidas em um fórum interno. O Mercado de Infoprodutos popularizou-se nos Estados Unidos e começou a ganhar força no Brasil a partir dos anos 2000.

m-commerce (Mobile commerce)

Hoje em dia é muito comum fazer compras usando nosso smartphone ou tablet. As lojas virtuais precisam – e devem – se adaptar a esse mercado, uma vez que o comportamento dos consumidores tem mudado muito de uns anos para cá. Antes uma tendência, o m-commerce é hoje uma lucrativa realidade. Este é um modelo que deve ser adotado por todos os donos de e-commerce como uma expansão para os negócios. Para tanto, é necessário que o site da sua loja virtual esteja responsivo, adaptado aos dispositivos móveis. Do contrário, você pode sair no prejuízo.

s-commerce (Social commerce)

Com o boom das redes sociais, tornou-se uma regra para as empresas investir nessas plataformas tão dinâmicas. Redes sociais como o Facebook, por exemplo, são excelentes lugares para você alocar a sua loja virtual, fidelizar clientes e prospectar muitos outros. Este modelo caracteriza-se por ser uma estratégia de expansão, com o objetivo de ter um maior alcance no mercado. Recomendamos que você tenha um site funcional para o seu e-commerce antes de investir neste modelo.

B2G (Business to Government)

Também conhecido como Business to Administration (B2A), o B2G caracteriza-se por ser um modelo de negociação envolvendo a venda de serviços ou bens a órgãos públicos. Como podemos notar, este é um modelo não muito abrangente, sendo mais recomendado caso os seus produtos sejam adquiridos por órgãos governamentais. É necessário ter as obrigações tributárias em dia e entender de licitações.

B2E (Business to Employee)

Modelo restrito ao público interno, o B2E utiliza uma intranet (rede interna da empresa), por onde os funcionários de uma empresa compram serviços ou produtos da própria empresa. Este modelo é mais voltado para quem vende serviços ou produtos com margens maiores de lucro, uma vez que por conta da natureza proposta por este modelo, o número de vendas não é tão volumoso.

Esses são os modelos de e-commerce mais utilizados no mundo no momento. As tendências deverão mudar de tempos em tempos, mas alguns modelos – como o B2C, B2B e Marketplace – já estão devidamente estabelecidos no mercado.

Esperamos que este artigo seja sido útil a você, querido(a) leitor(a). Semana que vem estaremos de volta. Deixe o seu comentário ou pitaco, o seu feedback é muito importante para nós. Até a próxima!

Sobre a Agência CWS

Contamos com as melhores soluções em: Criação de Sites, divulgação em Redes Sociais e Google Adwords, Manutenção de Websites, Fotografia, desenvolvimento de E-Commerce e criação de conteúdo escrito para blogs. Solicite um orçamento hoje mesmo clicando no botão abaixo e seja atendido(a) rapidamente por um de nossos atendentes:

[button text="Solicite um Orçamento CWS" radius="10" link="https://agenciacws.com.br/orcamento/" target="_blank"]

 

Deixe um comentário